Windows Live Messenger

sexta-feira, 17 de maio de 2013


.




Construção de estrada destrói pirâmide Maia no Belize
 Enviado por luisnassif, sex, 17/05/2013 - 12:22



Por alfeu

Do Opera Mundi

Pirâmide da era maia é destruída para construção de estrada no Belize

Estrutura foi dilapidada para servir de material de construção; danos ao local são irreversíveis, dizem arqueologistas  

Uma das maiores pirâmides construídas pela civilização maia no Belize, país da América Central, foi destruída por uma empreiteira local para que a rocha que compõe sua estrutura fosse utilizada como material de construção para uma estrada.

Os arqueologistas locais, revoltados com o ocorrido com o prédio milenar, afirmam que a devastação foi tamanha que é tarde demais para tentar qualquer reparo. As informações são da agência de notícias Associated Press e do site 7News Belize.

Apenas uma parte central da pirâmide, que fica localizada no sítio arqueológico de Nohmul (ou “grande monte”, na linguagem maia), ficou de pé. A sala cerimonial da pirâmide data de pelo menos 2.300 anos. O sítio de Nohmur está distribuído em uma área de 20 quilômetros e abrigou cerca de 40 mil pessoas entre os anos 500 e 250 antes de Cristo. No total, ela é composta de 81 prédios separados, todos em áreas privadas.

Reprodução


A denúncia da violação ao patrimônio histórico, iniciada logo no início do mês de maio, partiu do diretor do Instituto de Arqueologia do Belize, Jamie Awe, que classificou a ação de "deplorável e imperdoável".

“Eles sabia que se tratava de uma estrutura antiga. Isso tudo (a dilapidação poara uso de material de construção) aconteceu por uma questão de preguiça”, protestou Awe. O diretor deplorou também o fato de que, com a disponibilidade de equipamentos modernos, existia a possibilidade de procurar esse tipo de pedra em localidades próximas.

WikiCommons



"Essa foi uma das piores coisas que já vi em meus 25 anos de arqueologia no Belize. Não dá para recuperar o que aconteceu aqui, é uma incrível demonstração de ignorância. Estou chocado, e não sei o que dizer nesse momento", disse o arqueólogo John Morris ao 7News, ao se deparar com o cenário local.

[Pirâmide de Uxmal, no México, um dos exemplares mais importantes da arquitetura maia]

A pirâmide se encontra dentro de uma propriedade privada utilizada para a plantação de cana. A empresa dona das escavadeiras é a D-Mar, responsável pela construção de uma estrada na cidade de Douglas Village, nos arredores do sítio, e pertence ao político Denny Grijalva, integrante do conservador UDP (Partido da União Democrática), que alegava não saber nada sobre o projeto. Ele tem evitado falar com a imprensa desde então. Awe prometeu processar tanto o dono do canavial quanto a construtora.

Mesmo não se tratando de um patrimônio histórico em bom estado de conservação, James Awe diz duvidar que os responsáveis pela obra rodoviária não tenham sido capazes de ver o topo da estrutura, de cerca de 30 metros de altura, e saber que se tratava de um sítio histórico., pois a localização da pirâmide é bem conhecida e o relevo da região é plano.

A polícia afirma que investiga o caso. Pela lei local, toda ruína datada do período pré-hispânico está sob proteção governamental - quer ela se encontre em um terreno privado ou não.

Essa não é a primeira violação dessa natureza a um patrimônio histórico do país, que apesar de pequeno (apenas 22,9 mil quilômetros quadrados), reúne importantes estruturas da civilização maia

Nenhum comentário:

Postar um comentário