Windows Live Messenger

quinta-feira, 11 de abril de 2013


Empresa do Costa Concordia é multada em 1 milhão de euros
 Enviado por luisnassif, qui, 11/04/2013 - 14:21

Do Jornal de Notícias

Empresa paga um milhão pelo naufrágio do "Costa Concordia"

A empresa proprietária do navio "Costa Concordia" foi condenada a pagar uma multa de um milhão de euros pelo naufrágio que há 15 meses matou 32 pessoas ao largo da ilha italiana de Giglio.

A decisão foi tomada pelo Tribunal de Grosseto, na Toscânia, depois de a empresa, a Costa Crociere, ter apresentado em fevereiro um pedido de pena negociada, o qual foi aceite.

Com o pagamento desta multa, a proprietária do paquete de luxo fica livre de um processo penal, restando às famílias das vítimas do naufrágio a possibilidade de instaurar processos cíveis.

"É a solução mais razoável relativamente ao que se passou e é uma solução equilibrada", afirmou à imprensa o advogado da empresa, Marco De Luca, acrescentando que o Ministério Público deu o seu acordo a esta pena negociada.

A empresa admitiu a sua responsabilidade pelo naufrágio, atribuído pelos investigadores a ações e omissões de funcionários da Costa Crociere.

O "Costa Concordia", de 114.500 toneladas, embateu numa rocha perto da ilha de Giglio, a 300 metros da costa da Toscânia, e naufragou na noite de 13 de janeiro de 2012 com 4.229 pessoas a bordo, 3.200 das quais turistas.

O acidente fez 32 mortos e os corpos de duas vítimas nunca foram recuperados.

O principal acusado é o ex-comandante do navio, Francesco Schettino, acusado de homicídios múltiplos por negligência, abandono do navio, naufrágio e omissão da gravidade da situação nas comunicações com as autoridades marítimas.

Schettino será ouvido no Tribunal de Grosseto na segunda-feira, numa audiência preliminar, juntamente com outros quatro elementos da tripulação e um responsável da unidade de crise da empresa.

As acusações de que são alvo têm de ser confirmadas pelo tribunal para que o julgamento possa começar.

Neste processo, a empresa vai constituir-se como assistente, enquanto parte prejudicada pelas perdas causadas pelo naufrágio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário