Windows Live Messenger

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Siga no Twitter
A Lendária Recife
Enviado por luisnassif, qui, 31/01/2013 - 16:12
Por ANTONIO ATEU
Do blog Uma Pandora e sua caixa
Carlos Pena Filho e o Recife do século XX: um poeta e uma cidade azul...

Para começo de conversa amo a poesia dessa cabra, o Carlos Pena Filho, o poeta do azul, do azul que envolve nossas vidas sem que nós sejamos capazes de perceber... em um dos seus sonetos mais lindos, o Soneto do Desmantelo Azul, Carlos escreve:

“Então, pintei de azul os meus sapatos
por não poder de azul pintar as ruas,
depois, vesti meus gestos insensatos
e colori, as minhas mãos e as tuas.
Para extinguir em nós o azul ausente
e aprisionar no azul as coisas gratas,
enfim, nós derramamos simplesmente
azul sobre os vestidos e as gravatas.
E afogados em nós, nem nos lembramos
que no excesso que havia em nosso espaço
pudesse haver de azul também cansaço.

E perdidos de azul nos contemplamos
e vimos que entre nós nascia um sol
vertiginosamente azul. Azul.”


O azul é uma das marcas da poesia de Carlos, vai aparecer aqui e ali sempre na sua  poesia suave, elegante, parte de um universo poético cheio de ternura. Que embora seja facilmente reconhecida como sublime, não figura entre  as mais conhecidas, assim como o poeta que jaz esquecido na memória dos seus.
Carlos Pena Filho, nasceu em 1929 em Recife onde também morreu aos 31 anos no dia 1 de julho de 1960, morreu no alge de sua produção literária, no entanto, o que produziu em sua "curta" vida, já fez dele um dos mais importantes poetas pernambucanos da segunda metade do século XX. Politizado, interessado na vida política de Recife e de Pernambuco, um estudante de direito que militava no movimento estudantil engajado nas lutas de seu tempo. Um advogado que atuou em repartição do Estado e, em paralelo, trabalhou como jornalista no Diário de Pernambuco, Diário da Noite e Jornal do Comércio, onde fez reportagens, escreveu crônicas e publicou alguns de seus poemas.

Seu primeiro trabalho como poeta foi o soneto “Marinha”, foi publicado em 1947 pelo Diário de Pernambuco.
Marinha
Tu nasceste no mundo do sargaço
da gestação de búzios, nas areias.
Correm águas do mar em tuas veias,
dormem peixes de prata em teu regaço.
Descobri tua origem, teu espaço,
pelas canções marinhas que semeias.
Por isso as tuas mãos são tão alheias,
Por isso teu olhar é triste e baço.
Mas teu segredo é meu, ó, não me digas
onde é tua pousada, onde é teu porto,
e onde moram sereias tão amigas.
Quem te ouvir, ficará sem teu conforto
pois não entenderá essas cantigas
que trouxeste do fundo do mar morto.

Como todo o resto o poeta também percebe o Recife como uma cidade azul que ferve em um frenesi modernizante, com suas ruas sendo preenchidas com carros, enquanto avenidas eram construídas para suplantar as ruas estreitas do inicio do processo colonizador e arranhas céus tomavam conta dos espaços onde até então casas eram vistas
A cidade do Recife que Carlos conheceu foi uma cidade que estava se transformando em um processo de mutação de sua estrutura urbanística, mas que ainda tinha em sua vida tons de azul, azul do céu litorâneo e do mar a encher a vida das pessoas. Ele viveu em uma Recife que fervia com a critica social e que via surgir em seu horizonte um projeto de educação como o MCP (Movimento de Cultura Popular), que estava diante de João Cabral de Melo Neto e que em breve conheceria o Movimento Armorial. Um momento histórico bastante peculiar, pré-golpe militar, um momento onde as desigualdades sociais são percebidas e colocadas nos versos das poesias como acontece no poema Chope, onde ele fala:
 

“Na Avenida Guararapes,
o Recife vai marchando.
O bairro de Santo Antonio,
tanto se foi transformando
que, agora às cinco da tarde,
mais se assemelha a um festim.
Nas mesas do Bar Savoy, o refrão tem sido assim:
São trinta copos de chope,
são trinta homens sentados,
trezentos desejos presos,
trinta mil sonhos frustrado.”

Mas, não foi só o chope, as desigualdades sociais, os alentos e desalentos da cidade que ele mostra em sua poesia, ele também era um apaixonado por sua cidade, uma cidade que ele descreve como ilha “metade roubada ao Mar, metade ao Rio”, uma ilha onde viveu e morreu sobre a qual escreveu:
“No ponto onde o mar se extingue
E as areias se levantam
Cavaram seus alicerces
Na surda sombra da terra
E levantaram seus muros.
Do frio sono das pedras.
Depois armaram seus flancos:
Trinta bandeiras azuis plantadas no litoral.
Hoje, serena flutua, metade roubada ao mar,
Metade à imaginação,
Pois é do sonho dos homens
Que uma cidade se inventa.”

Uma cidade na qual ele percebe e canta a praia, os subúrbios, a lua, as igrejas, o Bairro do Recife, São José, o Chopp, os oradores, os Secos e Molhados, embriagado, o que sofrem com a crueldade das dificuldades diárias que ele descreve no seguinte poema:

“Recife, cruel cidade,
águia sangrenta, leão.
Ingrata para os da terra,
boa para os que não são.
Amiga dos que a maltratam
inimiga dos que não,
este é o teu retrato feito
com tintas do teu verão
e desmaiadas lembranças
do tempo em que também eras
noiva da revolução.”

Referencias Bibliográficas

PENA Filho, Carlos. Livro Geral Poemas. (Organização de Tânia Carneiro Leão) Edição da Organizadora, Recife, 1999, 2ª edição.
FILHO, Carlos Pena. Livro Geral. Recife: Ed. Póstuma, 2ª ed. 1999.

Sites Visitados:
http://br.geocities.com em 30/10/2008.
http://pt.shvoong.com/humanities em 30/10/2008.
http://culturareligare.wordpress.com em 04/11/2008.
http://poemia.wordpress.com.br em 30/10/2008.
http://palavrarocha.blogspot.com/ em 30/10/200

Nenhum comentário:

Postar um comentário