Windows Live Messenger

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013


Muito Tony Kushner, por Luis Fernando Veríssimo
Enviado por luisnassif, qui, 31/01/2013 - 16:02
Por implacavel
Do Estadão.com.br
Muito Tony Kushner
Luis Fernando Verissimo

Lincoln é a segunda colaboração do Steven Spielberg com o dramaturgo Tony Kushner. A primeira foi Munique, em que o roteiro de Kushner e de um coautor incluía crises de consciência dos agentes de Israel encarregados de vingar o massacre de atletas judeus por palestinos na Olimpíada de Munique de 1972 e impediu que o filme fosse apenas uma glorificação da vingança. Kushner é judeu, como Spielberg, mas é um conhecido crítico do sionismo e da política de Israel em relação aos palestinos e um esquerdista ativo e combativo. Spielberg é um dos "liberais", no sentido anglo-saxão da palavra, de Hollywood, que votam nos democratas, fazem filmes sobre causas nobres como a dos direitos civis de minorias e podem ser definidos como da esquerda confortável.
A parceria Spielberg/Kushner é insólita em outro sentido. Spielberg faz cinemão - bom cinemão, mas cinemão - e Kushner é o mais notório autor de vanguarda do teatro americano, com previsível desdém pelo teatro convencional e pelas grandes produções do cinema comercial. Uma curiosidade: no final da primeira parte da sua peça Anjos na América (as duas partes encenadas juntas têm mais de sete horas de duração) desce no palco um anjo mensageiro para anunciar a vinda do novo milênio e, supõe-se, a purgação dos pecados da América. Sua chegada, numa nuvem colorida, derrubando cenários e acompanhado de raios e música bombástica, é espetacular. Tanto que um dos personagens comenta:
- Muito Steven Spielberg.
Do filme Lincoln pode-se dizer que é muito Tony Kushner. São espetaculares as atuações de Daniel Day-Lewis, Tommy Lee Jones e Sally Fields, mas há pouco espetáculo do Spielberg. Kushner concentrou-se na capacidade política de Lincoln e no fim a abolição da escravatura é apresentada como um triunfo das suas palavras e da sua personalidade - com um pouco de ajuda de propinas a congressistas. Há só uma cena, curta, de guerra, no começo do filme. E é tão reticente a direção de Spielberg que não se vê nem o assassinato de Lincoln, uma cena que presumivelmente permitiria ao diretor dar o seu show. Mas Kushner não deixou. Ficamos sabendo da morte do presidente de ouvir dizer.
Nos Estados Unidos discute-se se Lincoln é de esquerda ou de direita. A esquerda reclama que o filme reforça a ideia de que a História é feita por líderes e heróis excepcionais, a direita reclama que outras causas da Guerra Civil, como a dos direitos estaduais diante da prepotência da União, foram mais importantes do que a escravatura e nem são citadas. Eu acho que o filme seria melhor se o Spielberg tivesse mais solto. Ou então se o Kushner enlouquecesse. Um anjo mensageiro descendo no meio da bancada antiabolicionista do Congresso e anunciando a vinda do Obama, por que não?
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário