Windows Live Messenger

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012


Brasil pede esclarecimento a Israel sobre assentamentos
Enviado por luisnassif, qua, 05/12/2012 - 11:56
Por Marco Antonio L.
Da Agência Brasil
Brasil pede a Israel esclarecimento sobre assentamentos em territórios palestinos
Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil
Brasília – O embaixador de Israel no Brasil, Rafael Eldad, foi chamado hoje (4), no final da manhã, ao Ministério das Relações Exteriores. A convocação é um protesto do governo brasileiro à retomada da construção de assentamentos em territórios palestinos. O Brasil é contra os assentamentos por considerar que atrapalham as negociações de paz com os palestinos. O Brasil defende um acordo no qual convivam dois Estados – o de Israel e o da Palestina.
Eldad conversou com o subsecretário de África e Oriente Médio, embaixador Paulo Cordeiro. Na conversa, Cordeiro reiterou que, para o Brasil, os assentamentos são ilegais e não colaboram com o processo de paz na região. Ele disse ao embaixador israelense que a retomada da construção de assentamentos não contribui positivamente para a busca pelo fim dos conflitos.
O encontro de Eldad com Cordeiro foi confirmado pelo Itamaraty e pela Embaixada de Israel no Brasil. Porém, a assessoria da embaixada informou que aguardava instruções do governo em Israel para fazer manifestações sobre o encontro. Não forneceu mais detalhes.
Ontem (3) os embaixadores de Israel no Reino Unido, na Espanha, na Dinamarca, na França e na Suécia foram chamados também para ouvir críticas dos respectivos governos destes países aos assentamentos. Para parte da comunidade internacional, a insistência de Israel em expandir os assentamentos é considerada negativa.
Um dia depois de a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovar o status de Estado observador para a Palestina, o governo de Israel retomou as construções dos assentamentos. As residências são construídas em áreas ao redor da Faixa de Gaza e em Jerusalém Oriental, agravando a tensão entre israelenses e palestinos. No total, são 3.000 casas.
Edição: Nádia Franco
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário