Windows Live Messenger

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

A voz firme, serena e responsável de Carmen Lúcia
Enviado por luisnassif, sex, 28/09/2012 - 11:13
Do Estadão
Julgamento não pode desacreditar política, diz ministra
Ao condenar réus, Cármen Lúcia, que preside TSE, afirma que 'erro de um ou de outro' não deve abalar crença na democracia
BRASÍLIA - Ao votar a favor da condenação de políticos que receberam dinheiro do esquema do mensalão, a ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha passou um recado aos eleitores brasileiros, afirmando que eles não devem perder a crença na política, principalmente às vésperas da eleição municipal.
Além de integrar o Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e, nesse cargo, comandará as eleições de outubro. "Eu não gostaria que a dez dias de uma eleição o jovem brasileiro desacreditasse da política por causa de erro de um ou de outro", afirmou durante a sessão de julgamento dessa quinta-feira, 27.
A ministra ressaltou que "a política é necessária". Mas a presidente do TSE reconheceu que "ela deve ser muito difícil". Para Cármen Lúcia, não deve ser uma tarefa fácil fazer com que os 513 deputados federais cheguem a consenso durante votações. "Um governo que não tenha maioria parlamentar tende a não se sustentar", disse. "Ele cai", afirmou a ministra, dizendo em seguida que, se não cair, pouca coisa será feita.
Cármen Lúcia defendeu a necessidade de os agentes públicos serem rigorosos no cumprimento das leis. "Quem exerce um cargo político deve exercê-lo com mais rigor", disse a ministra, acrescentando que, na opinião dela, existem bons políticos no País.
"Meu voto não é absolutamente de desesperança na política. É a crença nela e na necessidade de que todos nós agentes públicos nos conduzamos com mais rigor no cumprimento das leis", afirmou. "A condenação não pode ser uma descrença na política."
Política ou guerra. Cármen Lúcia ressaltou que o tribunal julga um processo penal sobre pessoas acusadas de cometer erros. "A gente vota com tristeza em um caso desse, mas tem que votar", afirmou. No entanto, ela fez questão de frisar que isso não significa que os políticos sejam sempre corruptos.
"Este é um julgamento de direito penal em que nós julgamos pessoas que eventualmente tenham errado e contrariado o direito penal. Mas que, obviamente, isso não significa, principalmente para os jovens, que a política seja necessariamente ou sempre corrupta. Pelo contrário: a humanidade chegou ao momento em que nós chegamos porque é a política ou a guerra", afirmou.
A ministra ressaltou que um malefício no espaço público significa um furto à sociedade. "Pela escola que não chega, pelo posto de saúde que não se tem, pelo saneamento básico que tantas centenas de cidades brasileiras não têm, exatamente pelo escoadouro dessas más práticas, dessas criminosas práticas", exemplificou. "Principalmente se tem o furto da esperança de uma sociedade", concluiu.
Cármen Lúcia está na presidência do TSE desde abril deste ano. Ao tomar posse do cargo, ela apelou aos eleitores para que votassem com honestidade. "O caminho mais curto para a Justiça é a conduta reta de cada um de nós, cidadãos. O homem probo ainda é a maior garantia da Justiça na sociedade. A eleição mais segura e honesta é aquela em que cada cidadão vota limpo", declarou.
A ministra disse que os juízes fazem direito, mas não fazem milagres. Por esse motivo, pediu ajuda dos eleitores e da imprensa na fiscalização. "Não há eleições seguras e honestas sem a ação livre e vigilante da imprensa", disse na ocasião. / MARIÂNGELA GALUCCI, RICARDO BRITO, EDUARDO BRESCIANI e FELIPE RECONDO
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário