Windows Live Messenger

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

.O policial e o cardeal, por Luiz Cláudio Cunha


Enviado por luisnassif, seg, 19/12/2011 - 09:46

Por wilson yoshio.blogspot

Do Sul 21



Jesus, o policial e o cardeal



Por Luiz Cláudio Cunha



Estarrecido, o Brasil soube na segunda-feira do Carnaval de 1989 que Jesus aplica a pena de morte e não se mistura com mendigo nem favela.



O anticristo da pena capital é o investigador Celso Jesus da Cruz, da polícia de São Paulo, que espremeu 50 presos na manhã de domingo numa cela minúscula de 1,5 por 3 metros. Três horas depois, quando apareceu ali o espírito mais cristão do juiz-corregedor para abrir a porta daquele inferno, 18 presos estavam mortos por asfixia.



O Cristo alheio à miséria está encarcerado na mente estreita do cardeal-arcebispo do Rio de Janeiro, dom Eugênio Salles, que apelou para a Justiça dos Homens para evitar que a imagem do Cristo Redentor abrisse a o desfile de miseráveis da Beija-Flor na iluminada passarela da Marquês da Sapucaí.



p>O Jesus de São Paulo e o Cristo do Rio de Janeiro são as duas faces de um mesmo e dramático flagrante da rotina de insensatez e incompreensão humanas que afundaram este país. No zelo extremado pela lei e pela fé, o agente da Ordem e o pastor de Deus usaram e abusaram da mesma dose de intolerância que acabou em morte, em São Paulo, e culminou no ridículo, no Rio.



O policial quis punir exemplarmente os amotinados de uma delegacia paulistana que acomodava 63 pessoas onde não cabem mais do que 26 — e socou 50 deles numa cela de castigo, sem uma única janela, com capacidade para apenas cinco presos. “É um castigo que jamais irão esquecer”, praguejava o Jesus da polícia, advertindo aos que duvidavam de seu sermão: “Aqui quem manda sou eu”.



No Cristo Redentor, quem manda é o cardeal Eugênio Salles, que atravessou na passarela do samba com uma liminar da Justiça proibindo o desfile de uma imagem do Filho de Deus no carro abre-alas da Beija-Flor. O genial Joãozinho Trinta idealizou um desfile de lixo e pobreza no maior espetáculo de luxo e riqueza do mundo, trazendo para o sonho do carnaval a realidade nem sempre colorida do grande drama social deste Brasil de ratos e urubus, a sétima maior economia do ocidente no enredo de José Sarney.



Foi um banho de criatividade, lirismo, bom humor e sensibilidade do carnavalesco, mas o arcebispo não se empolgou. Nesta cruzada pela salvação do homem aqui na Terra, dom Eugênio Salles está na obrigação, agora, de apelar ao Supremo Tribunal Federal para embargar o verdadeiro Cristo Redentor, lá no alto do Corcovado, com os braços escancarados sobre os três milhões de mendigos e favelados, um terço da população carioca.



O que, convenhamos, é uma imoralidade.



* Luiz Cláudio Cunha era diretor

Nenhum comentário:

Postar um comentário