Windows Live Messenger

sábado, 29 de outubro de 2011

Blog de luis nassif

“Consideramos que três coisas foram importantes para mantermos a acampada. Primeiro, conseguimos definir rapidamente o local, assim como os princípios do assentamento [dentre eles, apartidarismo, não violência e votação por assembleísmo]. Segundo, porque tivemos apoio da mídia, não dos mais tradicionais, e sim do The Guardian. Um dos seus repórteres está acampando conosco. A terceira coisa são as parcerias de cooperação e respeito com os visinhos”, contou Alisson, sendo que o principal deles é a própria igreja que não se opôs a ocupação.




Wall Street



O levante em Wall Street começou no dia 28 de agosto, quando um grupo começou a postar na internet propostas para ocupar o coração econômico do país no dia 17 de setembro. O mote da campanha é "Somos os 99%", que partiu da frase do economista norte-americano Joseph Stiglitz: "1-1-1 - o 1% eleito pelo 1% governando para o 1%".



Biella, como gosta de ser chamada a professora Gabriella Coleman, destacou que o termo 99% funciona muito bem para explicar a manifestação em Nova York, mas tem um problema que surge dessa ideia. “Os 99% não são uniformes, temos estudantes, a classe média, a classe operária. Então, quando você cria uma mensagem de solidariedade política através de todos esses grupos, o desafio é manter o respeito às diferentes necessidades de cada um, que acabam tendo que ser tratadas de forma conjunta na acampada”, ressaltou.



A ocupação em Wall Street não foi fácil, além do enfrentamento com a polícia e de 700 pessoas que foram detidas nos primeiros dias – depois liberadas – os manifestantes foram impedidos de usar auto-falantes ou microfones, por uma lei estabelecida na cidade. “A saída foi usar o ‘microfone do povo’, ou seja, quando eu falo, por exemplo, cerca de dez pessoas, ou mais, que estão a voltam repetem imediatamente o que eu falei”, ampliando o som da mensagem que, dessa forma, acaba sendo repassada a um número maior de pessoas.



O total estimado de pessoas que acampam atualmente na praça Washinton, renomeada pelos manifestantes de Liberty Square, e em Wall Street, é de 20 mil. A professora conta que uma das coisas que surpreenderam os manifestantes foi a boa resposta de parte da grande mídia, em especial do The New York Times e, ainda, que a complexidade da convivência de tantas pessoas num espaço sem infraestrutura, inicialmente, os obrigou a criar sistemas de cooperação para se alimentarem, por exemplo. Com o tempo surgiram bibliotecas comunitárias e a formação de um jornal próprio.



Biella, que dá aula na segunda universidade mais cara dos Estados Unidos, onde o aluno é obrigado a pagar 50 mil dólares por ano, conta que muitos dos estudantes estão se envolvendo no movimento. O resultado disso tem sido a criação de uma espécie de Universidade do Povo, assim como está acontecendo em São Paulo.



A professora Rita Alves, que participou do debate, transferiu uma aula de antropologia, ministrada no Curso de Ciências Sociais da PUC-SP, para o local da ocupação, embaixo do Viaduto do Chá.



"Nas aulas que temos na PUC nos interessamos pela cultura contemporânea, em boa parte a cultura de massa, mas o mais interessante é pensar [na transição] dessa cultura de massa para a cultura de rede. Isso, é o que nós estamos vivendo nesses últimos anos", destacou, ao lembrar que as comunidades na internet tiveram papel importante na organização das acampadas que estão ocorrendo ao redor do mundo.






Nenhum comentário:

Postar um comentário